Search

Doenças de Ovinos – Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Doenças de Ovinos

Doenças de Ovinos – Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Introdução

A ovinocultura desempenha um papel essencial na economia de muitas regiões do mundo, fornecendo carne, lã e outros produtos. No entanto, a criação de ovinos não está isenta de desafios, sendo um deles a suscetibilidade a várias doenças.

Este artigo abordará as principais doenças em ovinos, abrangendo diversas áreas, desde doenças de cascos até verminoses, a fim de fornecer informações valiosas para criadores e profissionais da saúde animal.

Principais Doenças em Ovinos

  1. Doenças de Cascos em Ovinos

    As doenças de cascos em ovinos são problemas de saúde que frequentemente estão relacionados a práticas inadequadas de manejo, como casqueamento excessivo, castração e o uso de materiais contaminados no corte de cauda. Um sintoma comum dessas doenças é a claudicação, ou seja, a manqueira. Frequentemente, a utilização de pedilúvios e a desinfecção local são as abordagens mais eficazes para o tratamento dessas enfermidades.

    • Carbúnculo Sintomático (Manqueira)

    O carbúnculo sintomático, também conhecido como manqueira, afeta ovinos com idade entre 6 meses e 3 anos e é causado pela bactéria Clostridium chauvei. Os sintomas incluem depressão, febre e claudicação evidente, com inchaço notório nas patas posteriores. Uma vez contraída, essa doença não tem cura, e o óbito ocorre rapidamente, geralmente dentro de 12 a 26 horas.

    • Pododermatite (Podridão dos Cascos ou Foot Rot)

    A pododermatite, também chamada de podridão dos cascos ou foot rot, é uma doença contagiosa causada pela ação combinada de várias bactérias presentes no solo. Essas bactérias invadem e se multiplicam nos cascos dos ovinos, especialmente quando estes apresentam sobrecrescimento ou estão cobertos por fezes ou lama. Os principais sintomas incluem claudicação e redução do apetite. Em casos graves, a doença pode levar à necrose profunda do casco, associada a um odor desagradável.

    • Laminite

    A laminite é um processo inflamatório que afeta as lâminas, estruturas sensíveis do casco dos ovinos. Isso resulta em claudicação e deformação permanente do casco. A laminite frequentemente ocorre como uma consequência da acidose ruminal, que diminui o fluxo sanguíneo para as lâminas do casco.

Doenças de Ovinos 1
Doenças de Ovinos 1

Afectações Cutâneas, Pelagens e Ectoparasitas em Ovinos

As manifestações cutâneas, pelagens e as infestações por ectoparasitas em ovinos são preocupações de saúde que frequentemente se refletem em sintomas como a perda de apetite, dermatites (inflamações na derme), lesões cutâneas com ou sem perda de lã, feridas, úlceras, crostas, escamas e, sobretudo, coceira, dor, desconforto e inquietação. Dentro deste conjunto de enfermidades, destacam-se as seguintes:

  1. Dermatomicose (ou Dermatite Micótica)

A dermatomicose, também conhecida como dermatite micótica, é uma condição infecciosa transmitida por fungos dos gêneros Microsporum e Trichophyton. Ela se caracteriza por lesões cutâneas, perda de lã e desconforto para o animal. A identificação e o tratamento adequados são cruciais para conter a propagação dessa doença.

  1. Dermatobiose (Berne)

A dermatobiose, popularmente conhecida como berne, é causada por larvas de moscas que se alojam no tecido subcutâneo, formando pequenas elevações com orifícios respiratórios. Isso resulta em dor e desconforto para os ovinos. Após a fase parasitária, as larvas podem provocar abcessos e evoluir para miíases, agravando o quadro.

  1. Miíases (Bicheiras)

As miíases são lesões cutâneas causadas por larvas de moscas que depositam seus ovos em ferimentos. Essas larvas eclodem e se movem para o interior da ferida, alimentando-se de tecido vivo e aumentando a extensão da lesão. O tratamento adequado e a prevenção de ferimentos são medidas essenciais para evitar a ocorrência de miíases.

  1. Oestrose (Bicho da Cabeça)

A oestrose é uma forma específica de miíase causada por larvas da mosca Oestrus ovis, que habitam as cavidades nasais dos ovinos. Elas aderem e irritam a mucosa nasal, levando à produção de corrimento sanguinolento, espirros frequentes e à diminuição da ingestão de alimentos. À medida que as larvas avançam em direção ao cérebro, podem causar sinais neurológicos, como perda de equilíbrio e movimentação em círculos, frequentemente resultando na morte do animal. O controlo eficaz é fundamental para detetar essas larvas antes que elas atinjam o cérebro e provoquem a morte do animal.

  1. Ectima Contagioso

O ectima contagioso é caracterizado por pequenas vesículas ou pústulas, principalmente na região dos lábios, gengiva e úbere dos ovinos. É importante notar que o ectima é uma zoonose, o que significa que pode ser transmitido aos seres humanos e é altamente contagioso. Portanto, é crucial manusear esses animais com extrema cautela.

  1. Febre Aftosa

A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa que se manifesta com febre e o surgimento de vesículas (aftas) nas mucosas e na pele, especialmente na boca, tetas e fenda dos cascos. A doença é de grande importância epidemiológica e econômica, e medidas rigorosas de prevenção e controle são essenciais para evitar sua disseminação.

Em resumo, as afecções cutâneas, pelagens e infestações por ectoparasitas em ovinos demandam vigilância e cuidados rigorosos para garantir o bem-estar dos animais e a segurança dos criadores. A prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado desempenham um papel fundamental na gestão da saúde do rebanho ovino.

 

Doenças de Ovinos 2
Doenças de Ovinos 2

Doenças Reprodutivas e Metabólicas em Ovinos

Muitas doenças reprodutivas e metabólicas em ovinos estão associadas a mudanças abruptas na alimentação, dietas desequilibradas com deficiências nutricionais e vitamínicas, bem como à exposição a substâncias tóxicas que resultam em desequilíbrios na flora bacteriana gastrointestinal. Além disso, as fases críticas da gestação, do parto e da lactação podem desencadear essas condições. Os sintomas comuns, que variam em gravidade, incluem alterações neurológicas, como apatia, fraqueza ou inclinação da cabeça, distúrbios gastrointestinais, como diarreia ou perda de apetite, e fraqueza muscular.

  1. Toxemia de Prenhez (Cetose)

A toxemia de prenhez, conhecida como cetose, afeta ovelhas no terço final da gestação. Uma dieta inadequada pode levar à falta de glicose para o feto, resultando na debilidade da mãe. Para obter energia adicional, o organismo da ovelha utiliza a gordura como fonte de energia, sobrecarregando o fígado e formando corpos cetônicos, que afetam o sistema nervoso central. Os sintomas incluem comportamento isolacionista, ranger de dentes, movimentação em círculos, cegueira e odor de acetona na respiração. Infelizmente, a doença não tem cura, e o óbito da ovelha ocorre rapidamente, geralmente entre 12 a 26 horas após o início dos sintomas.

  1. Hipocalcemia

A hipocalcemia é uma síndrome associada à deficiência de cálcio em ovelhas no final da gestação ou no início da lactação. Vários fatores ambientais e predisposições genéticas podem influenciar seu desenvolvimento. Os sinais clínicos incluem andar cambaleante e tremores. Sem tratamento e suplementação de cálcio, a ovelha pode falecer entre 6 e 12 horas após o início dos sintomas.

  1. Timpanismo (Empanzinamento)

O timpanismo é uma doença metabólica que se caracteriza pela distensão evidente do flanco esquerdo, onde se localizam o rúmen e o retículo. Isso ocorre devido à incapacidade de eliminar os gases produzidos durante a fermentação ruminal, geralmente causada por dietas mal selecionadas ou obstruções físicas. Um animal com timpanismo sofre grande dor e desconforto, torna-se agitado e deixa de se alimentar. Se não for tratado rapidamente, o animal pode cair e morrer em poucas horas. O tratamento envolve a remoção do excesso de ar do trato digestivo do animal, medicação e a modificação da dieta, evitando dietas ricas em grãos e pobres em fibra. Em caso de inchaço, é crucial chamar um veterinário o mais rápido possível.

  1. Mastite (Mamite)

A mastite é uma doença que pode ser provocada por diversos agentes, incluindo Mannheimia haemolytica, Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Corynebacterium spp. e Clostridium spp. Essas bactérias podem estar presentes na glândula mamária e nas tetas, causando inflamação, inchaço e vermelhidão no úbere, bem como a presença de grumos no leite.

A origem da mastite pode ser o contágio ou a falta de higiene adequada. Existem dois tipos de mastite: a clínica, com sintomas visíveis e mais comum no início da lactação, e a subclínica, que se manifesta por meio da redução da produção de leite e aumento das células somáticas no leite. O tratamento com antibióticos e higiene adequada é essencial, a fim de evitar o desenvolvimento de mastites crônicas e garantir a qualidade do leite, respeitando o período de carência do antibiótico para evitar sua presença no leite.

  1. Brucelose

A brucelose é uma zoonose grave que pode causar abortos em várias espécies de animais, incluindo caprinos, bovinos, suínos, cavalos, cães e seres humanos. Em fêmeas prenhes pela primeira vez, é comum ocorrer abortos, enquanto em fêmeas que já tiveram crias, os abortos podem não ser evidentes, mas as crias podem nascer debilitadas. Os machos também podem ser afetados, manifestando inflamação nos testículos, o que reduz sua capacidade reprodutiva.

Doenças de Ovinos 3
Doenças de Ovinos 3

Doenças Neurológicas e Musculares

Doenças Neurológicas e Musculares em Ovinos

A saúde dos ovinos é essencial para a produtividade e o bem-estar do rebanho. No entanto, algumas doenças neurológicas e musculares podem afetar esses animais, resultando em sintomas que variam desde descoordenação motora, tremores, convulsões até a paralisia dos músculos, em especial dos músculos respiratórios, que pode levar à morte dos animais.

Muitas dessas doenças podem ser prevenidas por meio de vacinação prévia.

Destacamos as seguintes condições:

  1. Tétano

O tétano é causado pela neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium tetani. Essa doença neurológica pode resultar em rigidez muscular, espasmos e dificuldade para andar. A vacinação é fundamental para prevenir o tétano em ovinos.

  1. Botulismo

O botulismo é causado pela ingestão da toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum. Os sintomas incluem fraqueza muscular, dificuldade de deglutição e paralisia. A prevenção é alcançada por meio da gestão adequada da alimentação e da vacinação.

  1. Cenurose

A cenurose é provocada pelo parasita Taenia multiceps, que afeta o sistema nervoso central dos ovinos. Os sintomas incluem desequilíbrio, convulsões e outros distúrbios neurológicos. A prevenção envolve o controle de parasitas intermediários.

  1. Raiva

A raiva é uma doença viral que pode afetar o sistema nervoso central dos ovinos. Os sinais incluem agitação, agressividade e paralisia. O manejo adequado e a prevenção de mordidas de morcegos são medidas importantes para evitar a raiva.

 

Doenças de Ovinos 4
Doenças de Ovinos 4

Doenças Respiratórias

As doenças respiratórias representam um desafio significativo para o manejo de ovinos de todas as idades, raças e gêneros. Muitas delas resultam da interação de vários fatores e agentes, como bactérias, vírus e parasitas, que, em condições ambientais favoráveis, podem causar mortalidade elevada e prejuízos econômicos.

Uma das doenças respiratórias mais comuns é a pasteurelose, que causa pneumonia em ovinos, com sintomas como dificuldade respiratória, tosse e febre. O tratamento com antibióticos, principalmente tetraciclinas, é frequentemente necessário.

Verminoses

As verminoses causadas por parasitas internos (endoparasitas) são responsáveis por prejuízos econômicos significativos na produção ovina. Os animais afetados apresentam distúrbios gastrointestinais, perda de peso, apatia e redução da produtividade. Algumas das verminoses comuns incluem a helmintose, a coccidiose (ou eimeriose), a hidatidose e a cisticercose. O controle desses parasitas e a adoção de medidas de manejo adequadas são fundamentais para prevenir e tratar verminoses em ovinos.

O diagnóstico de todas essas doenças requer a coleta de informações sobre o ambiente da exploração, as condições de saúde do rebanho e a observação dos sintomas clínicos nos animais. Quando necessário, testes laboratoriais, como análises sanguíneas e exames microscópicos, podem ser realizados para identificar os agentes causadores das doenças. O veterinário desempenha um papel crucial na suspeita, diagnóstico e tratamento adequado das doenças em ovinos.

É importante enfatizar a necessidade de manter instalações higienizadas, realizar quarentena para animais recém-adquiridos, aplicar antiparasitários regularmente e vacinar os ovinos contra doenças relevantes, sempre sob a orientação de um veterinário. As doenças infeto-contagiosas são particularmente importantes, pois podem ser transmitidas entre animais e, em alguns casos, afetar os seres humanos. Portanto, ao lidar com animais suspeitos, é fundamental adotar medidas de proteção, como o uso de luvas, para evitar a contaminação.

Conclusão: Doenças de Ovinos

Manter um rebanho saudável de ovinos requer conhecimento e cuidados contínuos para prevenir e tratar doenças. Este artigo destacou as principais doenças que afetam ovinos, desde doenças de cascos até doenças neurológicas, e ofereceu informações sobre prevenção e tratamento. Criadores e profissionais da saúde animal devem estar atentos à saúde de seus rebanhos e tomar medidas proativas para garantir o bem-estar dos ovinos.

FAQs (Perguntas Frequentes)

Quais são os sinais comuns de doenças em ovinos? Sinais comuns incluem mudanças no comportamento, apetite e aparência física, além de sintomas respiratórios anormais.

Como posso prevenir doenças em ovinos? A prevenção envolve a manutenção de boa higiene, fornecimento de nutrição adequada e vacinação contra doenças prevalentes.

Existem vacinas disponíveis para doenças em ovinos? Sim, existem vacinas para doenças como PPR e Enterotoxemia, oferecendo prevenção eficaz.

Posso tratar doenças em ovinos em casa? O tratamento deve sempre ser supervisionado por um veterinário para garantir o diagnóstico correto e medicamentos apropriados.

Qual é o erro mais comum no manejo de doenças em ovinos? O atraso na busca por atendimento veterinário é um erro significativo. A intervenção precoce é crucial para um tratamento bem-sucedido.

Com que frequência devo agendar check-ups veterinários para meus ovinos? Check-ups regulares a cada seis meses são aconselháveis para detectar e prevenir doenças em seus estágios iniciais.

 

Obrigado pela vista, conheça também nossos outros trabalhos

https://vettopbr.com/tosse-em-caes/

 

http://abelhando.eco.br

 

http://Leiturinhakids.com

 

https://cuidar.petlove.com.br/

Compartilhe:

Próximo post

Categorias