Search

Síndrome de Wobbler em Cães: Compreensão e Diagnóstico

Síndrome de Wobbler

Síndrome de Wobbler em Cães: Compreensão, Diagnóstico e Tratamento

A saúde dos nossos queridos amigos de quatro patas é uma preocupação constante para qualquer tutor responsável. Entre as diversas condições que podem afetar os cães, o Síndrome de Wobbler destaca-se como uma preocupação particular, especialmente entre as raças de grande porte. Neste artigo, vamos explorar em profundidade essa condição, incluindo seus sintomas, diagnóstico e opções de tratamento.

O Que é o Síndrome de Wobbler?

A síndrome de Wobbler é uma condição neurológica que afeta principalmente cães de raças grandes, como Doberman Pinschers, Great Danes e Boxers. Essa condição é caracterizada por compressão da medula espinhal no pescoço (região cervical), o que leva a uma variedade de sintomas, incluindo dificuldade em caminhar, fraqueza nas pernas, instabilidade ao andar (daí o nome “Wobbler”, que significa “bamboleio” em inglês), dor no pescoço e até mesmo paralisia em casos graves.

A compressão da medula espinhal na síndrome  pode ser causada por vários fatores, incluindo malformações ósseas na coluna cervical, crescimento anormal dos discos intervertebrais, lesões ou degeneração dos ligamentos da coluna. O diagnóstico geralmente envolve exames clínicos, radiografias e, em alguns casos, ressonância magnética.

O tratamento pode variar dependendo da gravidade dos sintomas e das causas subjacentes da condição. Pode incluir terapias conservadoras, como medicação para controlar a dor e a inflamação, fisioterapia e restrição de atividades, ou pode envolver cirurgia para aliviar a compressão da medula espinhal.

 

sindrome de wobbler

 

Raças maias afetadas

 

Essas raças têm uma predisposição genética para desenvolver condições relacionadas à medula espinhal devido à sua estrutura física e tamanho. No entanto, a síndrome de Wobbler também pode ocorrer em outras raças de cães grandes ou gigantes.

  1. Doberman Pinscher:
  2. Great Dane:
  3. Boxer: Boxers
  4. Weimaraner:
  5. Bernese Mountain Dog:

 

Sintomas do Síndrome de Wobbler em Cães

Os sinais clínicos do Síndrome variam em gravidade e podem incluir:

  1. Incoordenação: Um dos sintomas mais distintivos é o andar vacilante, daí o termo “Wobbler”.
  2. Fraqueza nas Patas Traseiras: Os cães afetados podem apresentar dificuldade em se levantar ou caminhar.
  3. Rigidez no Pescoço: A compressão na coluna cervical pode levar a rigidez e desconforto na região do pescoço.
  4. Dor no Pescoço: Os cães podem demonstrar sinais de dor ao mover o pescoço.
  5. Paralisia Parcial ou Total: Em casos graves, a compressão da medula espinhal pode levar à paralisia parcial ou total.
  6. Dificuldade para se Levantar: A fraqueza e a falta de coordenação podem dificultar o processo de levantar-se.Diagnóstico do Síndrome de Wobbler

O diagnóstico do Síndrome de Wobbler em cães geralmente requer uma abordagem abrangente, que pode incluir:

  1. Exame Clínico: Um exame neurológico detalhado pode revelar sinais de disfunção neurológica.
  2. Exames de Imagem: Radiografias, ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC) podem ser realizadas para avaliar a extensão da compressão na coluna vertebral.
  3. Exames de Sangue: Em alguns casos, exames laboratoriais podem ser necessários para descartar outras condições que possam estar contribuindo para os sintomas.

Tratamento do Síndrome de Wobbler em Cães

O tratamento do Síndrome pode variar dependendo da gravidade dos sintomas e da condição específica de cada animal. As opções de tratamento podem incluir:

  1. Terapias Conservadoras: Em casos leves, medidas conservadoras, como restrição de movimento e fisioterapia, podem ser suficientes para gerenciar os sintomas.
  2. Medicação: Medicamentos anti-inflamatórios podem ser prescritos para reduzir a inflamação e aliviar o desconforto.
  3. Cirurgia: Em casos mais graves ou quando as terapias conservadoras não são eficazes, a cirurgia pode ser recomendada. O objetivo da cirurgia é aliviar a compressão na coluna vertebral e estabilizar as vértebras afetadas.

Prognóstico e Cuidados Posteriores

O prognóstico para cães com essa Síndrome pode variar dependendo da gravidade da condição, da resposta ao tratamento e de outros fatores individuais. Alguns cães podem ter uma excelente qualidade de vida com o manejo adequado, enquanto outros podem enfrentar desafios significativos.

É importante fornecer cuidados contínuos e monitoramento veterinário regular para garantir o bem-estar do seu cão. Além disso, medidas preventivas, como manter um peso saudável e evitar atividades que possam sobrecarregar a coluna vertebral, podem ajudar a reduzir o risco de complicações.

Em conclusão, o Síndrome  é uma condição séria que requer atenção veterinária especializada. Com diagnóstico precoce e tratamento adequado, muitos cães podem levar uma vida feliz e confortável, apesar dos desafios apresentados por essa condição neurológica. Se você suspeitar que seu cão possa estar sofrendo de Síndrome , não hesite em procurar orientação veterinária para obter um diagnóstico e plano de tratamento adequados.

 

Obrigado pela vista, conheça também nossos outros trabalhos

 

https://vettopbr.com/tosse-em-caes/

 

http://abelhando.eco.br

 

http://Leiturinhakids.com

 

https://cuidar.petlove.com.br/

Compartilhe:

Próximo post

Categorias